domingo, 23 de abril de 2017

Classificação de incêndios e os tipos de extintores de incêndio

Em caso de incêndio, ligue para os bombeiros, 193.
Como acontece e como controlar o fogo de incêndio? Bem, as reações químicas podem ser rápidas ou lentas, e as reações de combustão constituem bons exemplos desses fatos. Enquanto as transformações de carboidratos que liberam energia em nosso organismo ocorrem lentamente, a combustão de TNT – trinitrotolueno – ocorre em frações de segundos. O estudo do controle das reações químicas é feito na área de estudo chamada Cinética Química. Os químicos buscam mecanismos que permitam o controle das reações químicas, diminuindo seus efeitos prejudiciais às pessoas e ao meio ambiente.


Esses conhecimentos permitem aumentar o rendimento de certas reações ou retardar outras que são indesejáveis, possibilitando o melhor emprego da Química em diferentes situações de cotidiano como, por exemplo, na conservação de alimentos.


Nesse artigo vamos inicialmente exemplificar o controle de reações essencialmente no processo ocorridos nas reações de combustão.

Para ocorrer uma reação de combustão são necessários: um combustível, um comburente, uma fonte de ignição e uma reação em cadeia.

Combustível é todo material oxidável (sólido, líquido ou gasoso) capaz de reagir com gás oxigênio, denominado comburente. As reações de combustão liberam energia na forma de calor e luz e produzem, geralmente, o gás dióxido de carbono (CO2) e água. Além desses gases, dependendo da composição do combustível e das condições da reação, outros podem ser produzidos, tais como dióxido de enxofre e monóxido de carbono.

Para que uma reação de combustão ocorra, é necessário um agente responsável pelo início do processo de queima: a ignição. Esse agente fornece a energia necessária para que a reação inicie e se mantenha, constituindo uma reação em cadeia. Nesse processo, enquanto existir combustível e comburente a reação continua espontaneamente.


A combustão pode ser representada pelas imagens abaixo:

O triângulo do fogo representa as condições necessárias para que ocorra fogo. São necessários três componentes: combustível, oxigênio e energia. O combustível propaga o fogo na presença de oxigênio (comburente) e de um acontecimento que forneça o calor inicial (ignição). Após o início da queima, a reação continua até que um dos três fatores seja eliminado. Sabendo disso, os bombeiros utilizam essa técnica para controlar o fogo: eliminando um desses componentes.

Triângulo do fogo e o quadrado do fogo.


Outra representação comum das condições para que que ocorra fogo é o quadrado do fogo, quem considera também a necessidade de uma reação em cadeia.

A combustão é a reação do oxigênio do ar com moléculas ou átomos do combustível. Quando isso ocorre só na superfície do material, o processo é relativamente lento. Porém é possível interferir nesse processo para controlá-lo ou para tirar o maior proveito energético. Como, por exemplo, a pulverização do combustível para acelerar e homogeneizar o processo de combustão, como ocorre nos motores dos veículos automotivos.


Conhecendo o processo de combustão, é possível controlar o fogo de incêndios, reduzindo sua ocorrência e diminuindo seus danos. Veja alguns cuidados que devemos ter nesse caso.

Presença de materiais combustíveis, como madeira e tecido, uso de velas e botijões de gás, sobrecargas em redes elétricas, faíscas, uso simultâneo de vários equipamentos em uma mesma tomada, uso de extensões elétricas inadequadas, entre outros fatores, aumentam os riscos de incêndios, pela associação imediata dos agentes do fogo; combustível, faísca e comburente presente no ar.

Locais sujeitos a esses e outros riscos devem, obrigatoriamente, possuir sistemas adequados de combate a incêndios. Nesses casos, a principal preocupação consiste em eliminar um dos três fatores do triângulo do fogo, mostrado anteriormente.

Materiais combustíveis são, normalmente, constituídos de matéria orgânica, e a rapidez de queima é maior em combustíveis líquidos e gasosos, em relação aos sólidos.

Um dos equipamentos básicos usados no combate ao fogo é o extintor de incêndio. Você já deve ter notado que, embora todos extintores de incêndio sejam recipientes de material pintados de vermelho, existem diferentes tipos. Conhecê-los é fundamental para sua utilização correta em situações de emergência.


De acordo com o material consumido (combustível), os incêndios são classificados em diferentes classes. Veja descrição abaixo, as classes de incêndio e os tipos de extintores que devem ser usados em cada uma delas.

Classificação de incêndios

Classe A

Tipos de incêndios: incêndio em materiais sólidos (madeira, papel, tecidos etc.). Esses materiais queimam em superfícies e em profundidade, deixando resíduos (brasas, cinzas, carvão etc.).

Tipos de extintores: extintor com água pressurizada, extintor com pó químico seco – NaHCO3, extintor com gás carbônico.

Classe B

Tipos de incêndios: incêndio em líquidos inflamáveis (óleo, gasolina, querosene, álcool etc.). Esses materiais queimam somente em superfície e não deixam resíduos quando queimados.

Tipos de extintores: extintor com pó químico seco – NaHCO3, extintor com gás carbônico.

Classe C

Tipos de incêndios: incêndio em equipamentos ou rede elétrica energizados. Desligar a corrente elétrica, o incêndio passa a ser de classe A.

Tipos de extintores: extintor com pó químico seco – NaHCO3, extintor com gás carbônico.

Classe D

Tipos de incêndios: incêndio em matais que inflamam facilmente (sódio, potássio, magnésio, titânio, alumínio em pó etc.).

Tipos de extintores: abafamento com areia.


Tipos de Extintores de Incêndio e seu funcionamento

Tipos de extintores e seu funcionamento

Extintor com água pressurizada: a água, impulsionada por um gás (nitrogênio ou dióxido de carbono), resfria e abafa o fogo. Usado para controle em material sólido, como a madeira.

Extintor com pó químico seco – NaHCO3: o pó abafa e sua decomposição, que produz H2O, CO2, Na2CO3, resfria o sistema. Usado para controle de fogo em material sólido ou líquido, além de equipamentos elétricos.

Extintor com gás carbônico: o gás, além de abafar e resfriar não conduz eletricidade. Usado para controle de fogo em material sólido ou líquido, além de equipamentos elétricos.

Extintor de espuma mecânica: contém água, espumante e ar pressurizado. A espuma resfria e abafa. Usado em locais onde há risco de vazamento de grandes quantidades de combustíveis como, por exemplo, em aeroportos.


Agora que você já sabe sobre os tipos de incêndios e os tipos de extintores usados para combater o fogo, que tal por curiosidade, você procurar um extintor em sua escola ou em seu prédio e observar de que tipo ele é e qual a sua composição. Adaptado do livro Química Cidadã; ed. FTD.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

@ Para dúvidas e/ou sugestões envie-nos um e-mail;
@ Divulgue seu blog no Educadores Multiplicadores
@ Seus comentários são reagentes para as nossas postagens!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...